???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.famerp.br/handle/tede/609
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorCosta, Bárbara Oliveira-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/6847112789520510por
dc.contributor.advisor1Werneck, Alexandre Lins-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7677409796920076por
dc.contributor.referee1Beccaria , Lúcia Marinilza-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/9454722257798034por
dc.contributor.referee2Paula, Adriana Aparecida Delloiagono de-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/4661187087522984por
dc.date.accessioned2021-04-13T15:28:25Z-
dc.date.issued2020-09-15-
dc.identifier.citationCosta, Bárbara Oliveira. Avaliação dos resultados da internação por infarto agudo do miocárdio na estação inverno. 2020. 31 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Enfermagem) - Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto.por
dc.identifier.doi1476por
dc.identifier.urihttp://bdtd.famerp.br/handle/tede/609-
dc.description.resumoO clima frio pode ocasionar doenças cardiovasculares como infarto, angina, isquemia e arritmia, além de doenças cerebrovasculares como o acidente vascular encefálico. Estima-se que quando os termômetros atingem marcas inferiores a 14°C, pode ocasionar um aumento de até 7% no risco de acontecer um infarto. Isso é ocasionado por receptores nervosos da pele que sentem a baixa temperatura, estimulando a liberação de catecolaminas, que são responsáveis por contrair os vasos sanguíneos, aumentando a pressão sanguínea e podendo levar a ruptura de placas de ateroma. Objetivos: Verificar se temperaturas baixas tem correlação com a incidência de infarto agudo do miocárdio e mortalidade; verificar se houve correlação entre as mudanças nas variáveis meteorológicas e a incidência de IAM. Material e Método: Estudo transversal, com abordagem quantitativa, realizado por meio de prontuários de pacientes com diagnóstico de infarto agudo do miocárdio, atendidos em uma Unidade Coronária de um hospital de ensino do interior do Estado de São Paulo. A coleta de dados foi realizada por Banco de Dados do hospital, por meio do sistema Operacional MVPEP, durante o período de junho a setembro de 2018. Para análise, as informações coletadas foram submetidas à análise estatística com auxílio do programa SPSS for Windows versão 16.0. Os resultados das variáveis nominais foram expressos por meio de análises de frequência e os resultados das variáveis contínuas pela média ± desvio padrão. Resultados: Avaliada as mudanças nas variáveis meteorológicas e as correlações com infarto agudo do miocárdio foi identificada a ocorrência de infarto agudo do miocárdio independentemente das variações climáticas. Os únicos fatores relevantes foram o atendimento especializado de forma correta, o motivo da alta, seja por melhora ou óbito, a unidade de internação específica, o tempo de permanência na unidade de atendimento e a frequência cardíaca. Conclusão: Não houve associação entre temperatura e mortalidade por IAM no nosso estudo. A pesquisa demonstra evidência apenas quanto à especialidade, o serviço, o tempo de permanência na UTI e a frequência cardíaca, sendo esses os fatores que interferiram no desfecho do IAM. A contribuição do estudo para o avanço do conhecimento científico é o aparecimento do IAM, mais provavelmente, em temperaturas próximas ou menores do que 0°C. O risco para IAM a partir de 3-4°C é muito mais tênue. O impacto social, proporcionado pelo estudo, é que o Sistema Cardiovascular fica mais suscetível a complicações em baixas temperaturas e os idosos acima de 60 anos constituem o grupo mais sensível.por
dc.description.abstractThe cold climate can cause cardiovascular diseases such as infarction, angina, ischemia and arrhythmia, in addition to cerebrovascular diseases such as stroke. It is estimated that when the thermometers reach marks below 14 ° C, it can cause an increase of up to 7% in the risk of having a heart attack. This is caused by nerve receptors in the skin that feel low temperatures, stimulating the release of catecholamines, which are responsible for constricting blood vessels, increasing blood pressure and can lead to the rupture of atheromatous plaques. Objectives: To verify whether low temperatures correlate with the incidence of acute myocardial infarction and mortality; to verify if there was a correlation between changes in meteorological variables and the incidence of AMI. Material and Method: Cross-sectional study, with a quantitative approach, carried out through medical records of patients diagnosed with acute myocardial infarction, seen at a Coronary Unit of a teaching hospital in the interior of the State of São Paulo. Data collection was performed by the hospital's database, using the MVPEP Operational System, from June to September 2018. For analysis, the collected information was submitted to statistical analysis with the aid of the SPSS for Windows version 16.0 program. . The results of the nominal variables were expressed through frequency analysis and the results of the continuous variables by the mean ± standard deviation. Results: After assessing changes in meteorological variables and correlations with acute myocardial infarction, the occurrence of acute myocardial infarction was identified regardless of climatic variations. The only relevant factors were the specialized care correctly, the reason for discharge, either due to improvement or death, the specific hospitalization unit, the length of stay in the care unit and the heart rate. Conclusion: There was no association between temperature and mortality from AMI in our study. The research shows evidence only regarding the specialty, the service, the length of stay in the ICU and the heart rate, these being the factors that interfered in the outcome of the AMI. The study's contribution to the advancement of scientific knowledge is the onset of AMI, most likely at temperatures close to or below 0 ° C. The risk for AMI from 3-4 ° C is much lower. The social impact, provided by the study, is that the Cardiovascular System is more susceptible to complications at low temperatures and the elderly over 60 years of age are the most sensitive group.eng
dc.description.provenanceSubmitted by Suzana Dias (suzana.dias@famerp.br) on 2021-04-13T15:28:25Z No. of bitstreams: 1 BarbaraOliveiraCosta_Dissert.pdf: 6868399 bytes, checksum: 9533d2725ea2ef223866314bf3ed8dd2 (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2021-04-13T15:28:25Z (GMT). No. of bitstreams: 1 BarbaraOliveiraCosta_Dissert.pdf: 6868399 bytes, checksum: 9533d2725ea2ef223866314bf3ed8dd2 (MD5) Previous issue date: 2020-09-15eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.languageporpor
dc.publisherFaculdade de Medicina de São José do Rio Pretopor
dc.publisher.departmentFaculdade 1::Departamento 2por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsFAMERPpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Enfermagempor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectHospitalizaçãopor
dc.subjectHospitalizationeng
dc.subjectEstações do Anopor
dc.subjectSeasonseng
dc.subjectInfarto do Miocárdiopor
dc.subjectMyocardial Infarctioneng
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEMpor
dc.titleAvaliação dos resultados da internação por infarto agudo do miocárdio na estação invernopor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Enfermagem

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BarbaraOliveiraCosta_Dissert.pdfDocumento principal6,71 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.