Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/tede/296
Tipo do documento: Dissertação
Título: Corticoamigdalohipocampectomia para o tratamento da epilepsia refratária associada à esclerose mesial temporal
Autor: Meguins, Lucas Crociati 
Primeiro orientador: Araújo Filho, Gerardo Maria de
Primeiro membro da banca: Marques, Lúcia Helena Neves
Segundo membro da banca: Pereira, Carlos Umberto
Resumo: INTRODUÇÃO: A esclerose mesial temporal (EMT) representa a doença cirúrgica mais comumente associada à epilepsia do lobo temporal (ELT) atingindo uma porcentagem de 28% a 62% nas séries de ressecção do lobo temporal. OBJETIVOS: O objetivo do presente estudo é descrever as características sócio-demográficas e clínicas de pacientes com ELT-EMT submetidos à corticoamigdalohipocampectomia (CAH) e investigar a influência da idade do paciente no momento da cirurgia e a duração da doença antes do tratamento cirúrgico no resultado clínico da ELT em um centro terciário para tratamento da epilepsia. MÉTODOS: Uma investigação observacional retrospectiva com coleta de dados de uma coorte de pacientes consecutivos, tratados cirurgicamente no Hospital de Base da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP), um centro terciário brasileiro para o tratamento de epilepsia, a partir de janeiro de 2000 a março de 2012. Os pacientes foram divididos de acordo com sua idade no momento da cirurgia (<ou ≥50 anos) e duração da epilepsia antes do tratamento cirúrgico (<ou> 10 anos). RESULTADOS: Duzentos e vinte e nove pacientes foram incluídos no presente estudo. A idade média no momento da cirurgia foi de 39,9 ± 11,57 anos, com 105 (45,8%) do sexo masculino e 124 (54,2%) do sexo feminino. Duzentos e vinte e um (96,5%) pacientes eram destros e oito (3,5%) canhotos. Trinta (13,1%) pacientes apresentavam história prévia de convulsão febril na infância e 27 (11,7%) relataram traumatismo craniano antes do início das crises refratárias. Trinta e seis (16%) usavam um único drogas anti-epiléptico (DAE) e 193 (84%) estavam tomando dois ou mais DAE. No acompanhamento pós-operatório dos pacientes observou-se que 144 (62,8%) foram classificados como Engel I e 200 (87,5%) foram classificados como Engel I ou II. Onze pacientes (4,7%) foram Engel III e 18 (7,8%) foram Engel IV. Aos seis, doze e vinte quatro meses de seguimento, 144, 137 e 132 pacientes, respectivamente, foram classificados como Engel I. Cento e onze de 179 pacientes (62%) foram classificados como Engel I no grupo com <50 anos de idade, ao passo que 33 de 50 (66%) como Engel I no grupo com ≥50 anos grupo de idade (p = 0,82). Do total de pacientes livres de crises (Engel I), 88 (61%) relataram a duração da epilepsia inferior a 10 anos e 56 (39%) superiores a 10 anos (p <0,01). Do total de pacientes não livres de crises (Engel II, III e IV), 36 (42%) relataram a duração da epilepsia inferior a 10 anos e 49 (58%) superiores a 10 anos (p <0,01). Não houve deficit neurológico significativos relacionadas à cirurgia ou mortes. CONCLUSÕES: No presente estudo, demonstramos que CAH é uma modalidade cirúrgica segura e viável para tratar eficazmente pacientes com ELT-EMT. Além disso, observou-se que a menor duração da epilepsia no momento da cirurgia é um importante fator de risco que deve ser considerado antes de tratamento cirúrgico. O reconhecimento precoce e tratamento adequado de pacientes com ELT-EMT podem melhorar o resultado do controle das crises.
Abstract: INTRODUCTION: Mesial temporal sclerosis (MTS) is the commonest surgical pathology associated with refractory temporal lobe epilepsy (TLE) with a percentage in series of temporal lobe resection ranging from 28% to 62%. OBJECTIVE: The aim of the present study is to describe the clinical and sociodemographic characteristics of patients with TLE-MTS submitted to cortico-amygdalohippocampectomy (CAH) and to investigate the influence of patient’s age at surgery and seizure onset on surgical outcome of TLE in a Brazilian tertiary epilepsy center. METHODS: A retrospective observational investigation was performed with data collection from a cohort of consecutive patients surgically treated in the epilepsy clinic of Faculdade de Medicina de Sao Jose do Rio Preto (FAMERP), a Brazilian tertiary referral epilepsy center, from January 2000 to March 2012. Patients were divided accordingly to their age at surgery (< or ≥50 years) and to epilepsy duration at surgery (< or > 10 years). RESULTS: Two hundred and twenty-nine patients were included. The mean age at surgery was of 39.9±11.57 years, with 105 (45.8%) male and 124 (54.2%) female. Two hundred and twenty-one (96.5%) patients were right-handed and eight (3.5%) left-handed. Thirty (13.1%) patients presented a previous history of febrile seizure during infancy and 27 (11.7%) reported head trauma before the beginning of refractory seizures. Thirty-six (16%) were taking a single anti-epileptic drug (AED) and 193 (84%) were taking two or more AEDs. Patients’ follow-up observed that 144 (62.8%) were classified as Engel I and 200 (87.5%) were classified as Engel I or II. Eleven patients (4.7%) were Engel III and 18 (7.8%) were Engel IV. At six, twelve and twenty-four months of followup, 144, 137 and 132 patients, respectively, were classified as Engel I. One-hundred and eleven of 179 patients (62%) were classified as Engel I in the group with <50 years old, whereas 33 of 50 (66%) as Engel I in the group with ≥50 years old group (p=0.82). From the total of patients seizure free (Engel I), 88 (61%) reported epilepsy duration inferior to 10 years and 56 (39%) superior to 10 years (p<0.01). From the total of patients not seizure free (Engel II, III and IV), 36 (42%) reported epilepsy duration inferior to 10 years and 49 (58%) superior to 10 years (p<0.01). There were no surgery-related significant neurological deficits or deaths. CONCLUSION: In the present study, we demonstrated that CAH is a safe and feasible surgical modality to effectively treat patients with refractory TLE-MTS. Additionally, it was observed that a shorter epilepsy duration at surgery is an important risk factor that must be considered before surgical management of MTS. Early recognition and surgical treatment of patients with refractory TLE-MTS may improve seizure outcome.
Palavras-chave: Epilepsia do Lobo Temporal
Epilepsy, Temporal Lobe
Esclerose
Sclerosis
Terapêutica
Therapeutics
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto
Sigla da instituição: FAMERP
Departamento: Faculdade 1::Departamento 1
Programa: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citação: Meguins, Lucas Crociati. Corticoamigdalohipocampectomia para o tratamento da epilepsia refratária associada à esclerose mesial temporal. 2014. 70 p. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde) - Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Identificador do documento: 1184
URI: http://hdl.handle.net/tede/296
Data de defesa: 1-Dez-2014
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
lucascrociatimeguins_dissert.pdflucascrociatimeguins_dissert2,24 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.